Basenji




Um cão tímido, alegre e muito independente. Se assemelha aos gatos, pois se dedica bastante tempo a sua higiene, se lambendo o tempo todo. Praticamente não late, apenas emite uns sons semelhantes aos uivos.

Um exímio cão de guarda e caçador, o movimento chama a sua atenção e ele vai perseguir o que ele vê que se move, como, gatos, esquilos, coelhos. Não se da bem com estranhos e outros animais, tendo que ter uma socialização desde pequeno. Um tanto teimoso o que dificulta seu adestramento, ele não é o tipo de cão que irá obedecer comandos instantaneamente, tem que pensar sobre o que foi pedido e decidir se ele realmente quer fazer o que você pediu.. Muito protetor com seu tutor.

Paciência e senso de humor são essenciais para viver com um Basenji. Ele vai mastigar ou comer o que for deixado ao seu alcance, e ele é capaz de arquitetar um plano para conseguir o que quer, isso inclui subir no balcão da cozinha ou invadir a despensa onde os biscoitos de cão estão guardado. Ele pode ser indiferente com estranhos, e ele não merece confiança quando está perto de gatos ou outros animais de pequeno porte, a menos que ele tenha crescido com eles e você esteja certo de que ele os reconhece como membros da família. No entanto,  esse reconhecimento não se aplica a gatos ou pequenos animais que ele vê ao ar livre.

HISTÓRIA E ORIGEM DA RAÇA BASENJI

Essa é uma raça originaria da Africa, muito antiga e tinham a função de caçar presas em bandos. Eram considerados sagrados, pois se acreditava que eles acompanhavam os mortos no além. Eles foram retratados em muitas pinturas e artefatos antigos. No túmulo de Hemaka, 1ª Dinastia nobre egípcia, foi encontrada uma imagem de  uma mesa de jogos (Hemaka Game Stone) datada de 3000 a.C.  em 1870, colonos ingleses encontraram com os Basenji no Congo, sendo utilizados pelos nativos como cão de caça pelos caçadores pigmeus, com seus sinos do pescoço, conduzindo as presas até as redes.

No final de 1800 e inicio de 1900 foi tentado trazer o Basenji para a America, mais sem muito sucesso, já que os exemplares morriam com a cinomose. Já em meados dos anos 30 uma nova tentativa foi feita, desta vez bem sucedida. O Basenji Club of America foi fundado em 1942, e o American Kennel Club reconheceu a raça em 1943. Phemister’s Bois foi o primeiro Basenji registrado no AKC, em 1944.

A popularidade da raça, cresceu de forma lenta e nos anos 50, graças a um livro e a um filme sobre o Basenji a popularidade aumentou consideravelmente. Ele mantém muitas características primitivas, especialmente a falta de capacidade para latir e a ocorrência do cio apenas uma vez por ano.

 TEMPERAMENTO E COMPORTAMENTO DO BASENJI

Tem um tipo muito parecido com o felino em seu estilo, é inteligente, curioso, independente e bem reservado. É um cãozinho que adora caçar e deixa isso bem aparente. A pratica de exercícios físicos e mentais, deve ser feita diariamente, para evitar que fique destrutivo e frustrado. Uma característica da raça é que ela não late, ou late muito pouco, emite uma especie de uivo ou chiados, outra característica é que entram no cio apenas uma vez ao ano.

É um excelente cão de guarda por ser bem alerta e curiosa, não aceita muito bem estranhos, podendo se tornar agressivos. Já com seu tutor, é muito dócil, geralmente estabelece um vinculo muito forte com uma pessoa da casa.

É um cão extremamente independente e higiênico, tem comportamentos que lembram os gatos, além de ter olfato e visão muito aguçados. Como dito, possui hábitos muito parecidos com os dos gatos, gosta de altura e sempre se lambe, ficando sempre limpo e sem cheiro.

É uma raça temperamental, um tanto que teimoso e isso faz com que seu adestramento não se torne tão fácil, comandos básicos como sentar, levantar, fazer necessidades no local certo são ensinadas facilmente, porém sua adestração deve iniciar antes do que a maioria das raças.

APARÊNCIA FÍSICA DO BASENJI

De porte médio, tem uma estrutura óssea fina, membros altos comparado ao seu comprimento, sempre equilibrado, alerta e inteligente, apresenta a figura de um cão bem balanceado, com a graça de uma gazela.

Tem a cabeça bem entalhada e se afina na altura dos olhos até a trufa. A pele do crânio se dobra de modo mais particular quando o cão, em alerta, levanta as orelhas. Os olhos, escuros e oblíquos, cor de amêndoa, têm impressão longínqua. As orelhas, finas e pontudas, são mantidas retas, apontadas para frente. O pescoço de bom comprimento, dá um porte altivo a cabeça. O corpo é bem proporcional ao peito descido. A cauda é inserida alta, forma um ou dois anéis, encaracolando-se de forma apertada sobre a coluna vertebral. Leve, elegante, alerta e bem equilibrado, o Basenji tem andar leve, muito característico, que lembra o trote alongado de um puro sangue.

COR E PELAGEM DO BASENJI

O seu pelo é curto, muito fino, reluzente e fechado. As cores podem ser preto puro e branco, vermelho e branco, preto, castanho e branco com pintas castanhas acima dos olhos e marcas castanhas no focinho e nas bochechas,  fulvo e branco ou ainda malhado com ranhuras pretas sobre fundo vermelho.

CUIDADOS, SAÚDE E BEM ESTAR DO BASENJI

Não necessita de grandes cuidados, vive bem na área externa com acesso na interna, se deixa-lo somente na área externa tome cuidado porque essa raça tem um extinto muito bom na fuga. Se adapta muito bem ao calor, pois tem origens Africanas e pode ficar brincando no sol sem problema algum. No entanto precisam de exercícios físicos e mentais diários. Seu pelo é fácil de se manter, basta escová-lo de vez em quando para remover pelos mortos.

Nos passeios se certifique que ele esta bem preso na coleira, e se estiver chovendo ou muito molhado, seu Basenji pode ficar de mau humor, já que ele não gosta muito de se  molhar, a não ser se o dia estiver muito quente, ai ele vai adorar.

Deve-se fazer uma socialização com ele desde filhote, para que não fique agressivo com outros cães, não se deve confiar no Basenji com outros cães, gatos ou animais pequenos se ele não for acostumado com eles.

Apresentam quase sempre hérnias discais, outro problema que pode aparecer é a enteropatia, que causa vômitos e diarreias crônicas, a síndrome de Fanconi, que causa distúrbios na absorção de nutrientes, atrofia progressiva da retina, displasia coxo femoral e o hipotireoidismo.

Ao procurar por filhote dessa raça para a venda, deve-se agir de forma cautelosa, pois não se trata de uma raça muito popular e procurada aqui no Brasil; assim, é preciso buscar um filhote em um canil especializado, se possível, e verificar de perto a procedência do animal.

As unhas devem ser aparadas uma ou duas vezes ao mês, caso não forem gastas naturalmente, se você ouvir suas unhas batendo no chão, significa que elas estão longas demais. As unhas dos cães possuem artérias, se você cortá-las demais causará sangramento e o seu cão pode não querer cooperar nas próximas vezes. Por isso, se você não tiver experiência ou não se sentir confiante para a tarefa, procure ajuda profissional. Importante checar também suas orelhas pelo menos uma vez por semana e procurar por sujeira, vermelhidão ou mau cheiro que possam indicar infecções. Limpe-as semanalmente usando loção de de PH equilibrado para evitar maiores problemas.

PREÇO

O Valor varia de  R$1.000,00 a R$ 3.000,00

Ficou com alguma dúvida sobre esta raça de cãozinho? Deixe sua pergunta nos comentários ou nos siga nas redes sociais através do Facebook.

 

Comentários

comentários